Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMTFoto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

Foi aprovado em primeira votação, na sessão da última quarta-feira (13), na  Assembleia Legislativa, o  Projeto de Resolução nº 102/2019, que altera dispositivos da Resolução nº 677, de 20 de dezembro de 2006, que aprova o Regimento Interno da Assembleia Legislativa do Estado do Mato Grosso, para extinção do voto secreto na eleição da Mesa Diretora da ALMT.

Sendo assim, se aprovada em segunda votação, a escolha será feita de forma nominal, mediante apresentação de cédula completa e por maioria absoluta de votos. E, para composição da mesa, os partidos devem estabelecer seus representantes e blocos, os quais escolherão os candidatos ao cargo de acordo com o estatuto de cada partido ou conforme certificar a bancada, podendo ser disputado por qualquer um dos deputados mediante comunicação por escrito, assegurando a representação de todos os candidatos.

“Temos que representar quem nos elegeu, não apenas no Parlamento, mas na composição dos cargos da mesa, garantindo representatividade e efeitos práticos no decorrer do mandato de cada deputado”, garante Ulysses Moraes.

No método atual, segundo o deputado, é realizada a formação de chapas sem a prévia representação política dos eleitores- o que é incoerente e gera separação do Parlamento com a população.

As alterações irão amenizar os problemas e irão cooperar para que a Assembleia Legislativa busque uma composição mais justa, construindo argumentos significativos de controle pela sociedade civil.