Os dois integrantes do bando que roubou R$ 900 mil das agências do Sicoob e Sicredi, no município de Nova Bandeirantes (1.026 quilômetros de Cuiabá), no dia 04 de junho, estariam debilitados. A informação foi repassada pelo comparsa deles, Salvador Santos Portela, 50 anos, preso no dia 09 de julho, pela Polícia Militar.
 
Ao Olhar Direto, o comandante do Batalhão de Operações Especiais (Bope), tenente-coronel Ronaldo Roque da Silva, revelou que durante a conversa que tiveram com Salvador, este relatou acreditar que seus comparsas estariam debilitados.
 
“Ele citou alguns sintomas de desidratação e de falta de alimentação adequada também. Quando aqueles quatro primeiros criminosos morreram em confronto, não tiveram mais a entrega de comida e itens de sobrevivência. Acabaram ficando mais isolados, também por conta do cerco feito pelas forças de segurança”, explicou o comandante.
 
Também há informações de pessoas que disseram ter saído para buscar informações, mas que não retornaram ao grupo, depois de ficarem sabendo das prisões e mortes em confronto.
 
“É trabalho de perseverança, de busca efetiva para fundamentar as nossas convicções. Não vamos parar enquanto não encontramos todos que estão escondidos nesta região”, finalizou o comandante do Bope.
 
Divisão de dinheiro
 
Em depoimento à Polícia Civil, Salvador Santos Portela, 50 anos - preso no dia 09 de julho, pela Polícia Militar -, relatou que a promessa feita a ele por Diego Almeida Costa (um dos mortos em confronto com o Bope e responsável por recrutar o acusado) seria de dividir em partes iguais todo o montante conseguido do roubo.
 
Porém, deste total, ainda seriam descontadas as despesas provenientes de toda a preparação do crime. Ao todo, pelo que se sabe até o momento, a quadrilha teria pelo menos 16 integrantes.
 
No dia de sua prisão, Salvador confessou a participação no roubo e levou os policiais até seu esconderijo na mata. Com ele foram encontradas duas espingardas, munições, coletes balísticos, joias e a quantia de R$ 50.407,60.
 
Na última terça-feira (13), foram completados 40 dias da caçada pelos criminosos. Até o momento, foram nove mortos em confrontos, cinco presos e cerca de R$ 550 mil recuperados.
 
Os mortos são: Romário Oliveira Batista, Maciel Gomes de Oliveira, Luiz Miguel Melek, Waldeir Porto Costa, conhecido como Índio, Diego de Almeida Costa, Adailton Santos da Silva, Ronaldo Rodrigues de Souza e/ou Francisco de Assis Cavalcante dos Santos, conhecido como Galego, Cristiano de Jesus Nunes, de 28 anos, e Samuel Santos Silva, conhecido como Salvador, 44 anos.
 
Os presos são: Salvador Santos Portela, 50 anos, que teve a prisão convertida para preventiva, Edenicio Pereira Cavalcante, conhecido como Coroinha, que teve a prisão em flagrante convertida em preventiva, Josias Silveira, que teve a liberdade provisória com o uso de tornozeleira eletrônica, Franklis Souza de Jesus, conhecido como Frann, teve a prisão em flagrante convertida em preventiva e Valdecir de Salles Barboza, cuja prisão em flagrante foi convertida em preventiva.
 
O roubo as agências do Sicredi e Sicoob aconteceu no dia 4 de junho. Na porta do banco eles deixaram reféns sem camisa e com as mãos para cima, enquanto faziam o recolhimento do dinheiro. Para assustar e evitar a chegada dos policiais, eles dispararam vários tiros em frente à praça pública.
 
Todo ato é semelhante ao usado no estilo Novo Cangaço, que estava extinto em Mato Grosso desde 2013.

 

Reprodução: Olhar Direto