ReproduçãoReprodução

Um grupo familiar que ficou conhecido nacionalmente como os Catireiros do Araguaia, formado pelo casal Orlando Fernandes e Joana de Araújo, juntamente com os seus filhos, integrando o projeto cultural da catira, estão netos e bisnetos, perdeu a mãe do Grupo, dona Joana que tinha 80 anos. Ela faleceu em um sítio no dia 27, onde segundo informações tratava de um problema de saúde. 

O barulho dos pés nos chãos se calou diante da perca da mãe dos catireiros, que levou a catira e também Barra do Garças e toda a região do Araguaia a ficar conhecida nacionalmente com apresentações culturais que deixavam os que conheciam e os que não conheciam a catira, admirados. 

Além de dançarem a catira, os Catireiros do Araguaia, é formado por uma família com 25 participantes sendo músicos, compositores e dançarinos que cantam e tocam música sertaneja raiz. 

Em Barra do Garças diversas autoridades manisfestaram sentimentos pela partida de Dona Joana, entre eles o Prefeito da Cidade Beto Farias. 

O Secretário Adjuntos da SECITECI- Stephano do Carmo, que é nascido em Barra do Garças também lamentou a morte de Dona Joana.”Quero expressar meus sentimentos a toda família de Dona Joana, ao seu esposo e ao Professor Miro, filho de Dona Joana. Juntamente com o esposo, filhos, netos e bisnetos, Dona Joana deu exemplo de alegria e Uniao, deixando um legado cultural enorme para toda a região do Araguaia, nossa eterna gratidão a essa matriarca que tão bem representou a nossa Cultura e as famílias”, disse O Secretário Stephano ao Agência da Notícia.

Como precursora do grupo artístico, dona Joana deixa para sua família e para a região do Araguaia uma rica contribuição cultural. O sepultamento da matriarca aconteceu no sábado (28), as 13h, em Araguaiana.

Catireiros do Araguaia

Os Catireiros do Araguaia colecionam aparições na televisão e até mesmo um documentário que leva o nome do grupo. Em 2016, foi lançado o documentário “Catireiros do Araguaia – uma família no palco, tradição dos pés à cabeça”. O curta registra a trajetória e a produção do grupo ao longo dos anos.
Ainda no mesmo ano, ocorreu a gravação de um show memorável que virou DVD, com direção da jornalista Carina Benedeti e fotografia do professor da UFMT Gilson Costa, coordenador do NPD/UFMT.