A coletiva de imprensa do presidente Donald Trump, na Casa Branca, foi interrompida nesta segunda-feira (10) após tiros do lado de fora do local.

Reprodução Reprodução

De acordo com o Serviço Secreto, um agente de segurança envolvido no tiroteio e um homem considerado suspeito foram levados para um hospital. O órgão não detalhou o estado de saúde das duas pessoas. Ainda segundo o governo, em nenhum momento a Casa Branca foi invadida.

 

Trump falava com jornalistas sobre coronavírus quando um agente entrou na sala e falou ao seu ouvido. Em seguida, ele se retirou e a sala foi trancada, para segurança dos jornalistas, que não foram imediatamente informados do motivo.

Testemunhas – incluindo a repórter da GloboNews Raquel Krahenbuhl – viram agentes do Serviço Secreto correndo pelo jardim da Casa Branca com armas em mãos. Após alguns instantes, Trump retornou à sala e informou o que tinha acontecido.

Trump explicou que o agente disse a ele que havia uma situação de potencial perigo e que seria melhor interromper a coletiva. Elogiando a ação da segurança, ele disse que a pessoa ferida seria o homem que efetuou os disparos, e que ele foi levado a um hospital, mas não forneceu mais detalhes de imediato.