ReproduçãoReprodução

O ativista Kaime Silvestre, de Confresa (MT) protestou ao lado de Greta Thunberg (ativista ambiental sueca), na Suíça, ao término do Fórum Econômico Mundial, que reuniu os principais lideres empresariais e políticos, para discutir as questões mais urgentes enfrentadas mundialmente e temas como os ambientais estiveram no centro dos debates, na última sexta-feira.

“Eu vim porque quero trazer a voz dos jovens da América Latina, dos povos da Amazônia, porque nós realmente temos que nos preocupar com as nossas riquezas com as nossas matas, com os nossos rios”, disse o mato-grossense ao Jornal Nacional. Silvestre protestou ao lado de  Greta Thunberg que foi criticada no encontro pelo secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, que questionou o foco no termo aquecimento global.

Foi ele quem disse que a ativista deveria fazer faculdade de economia para poder sugerir o fim dos combustíveis fósseis.Greta rebateu as criticas e disse que  nem ligou para mais essa alfinetada.O pior mesmo é voltar para casa sem o que comemorar.“Todas as nossas demandas foram completamente ignoradas”.

Para a turma de Greta Thunberg não foi suficiente. Mas a edição de número 50 do Fórum Econômico Mundial foi, sim, diferente. Nunca os temas ambientais tinham sido tão presentes. E não à toa a cidade branquinha de neve ganhou o apelido de Davos Verde.