0
0
0
s2smodern

Foto: Assessoria PJCFoto: Assessoria PJC

Um casal foi preso nesta quinta-feira (7) em Guarantã do Norte, a 721 km de Cuiabá, suspeito de aplicar golpes na compra de gado. E.T.A.F. de 52 anos e M.C.S. de 38 anos são suspeitos de comprar cerca de 500 bovinos e fazer o pagamento de mais de R$ 2 milhões e usar cheques sem fundo. A mulher é professora e trabalhou em uma escola particular do município de Confresa.

De acordo com a Delegacia Especializada em Roubos e Furtos (Derf), as investigações apontaram que Evandro ganhava a confiança dos produtores da região e após negociava a compra de gado. O suspeito chegou a comprar cerca de 500 cabeças de gado em diversas propriedades da região do Araguaia, incluindo municípios de Goiás.

Eles pagavam os produtores com cheques pré-datados para 30 e 60 dias, que eram emitidos pela professora. Os animais já eram entregues no ato do negócio. O produtor rural já emitia os documentos e a nota fiscal e entregava ao suspeito.

No documento era registrado que os bovinos seriam transportados para propriedades rurais arrendadas pelos suspeitos. As propriedades eram localizadas nos municípios de General Carneiro, Pontal do Araguaia, Torixoréu, no estado e também em Baliza e Piranhas no estado de Goiás.

Após a conclusão da venda, os suspeitos levavam o gado o para venda em leilões da região. A venda nos leilões eram feitas rapidamente para desfazer dos animais antes que os cheques não compensados pelo banco, pois já tinham a intenção de não pagar.

os suspeitos transferiram os patrimônios que possuíam no nome deles para outras pessoas, assim evitavam que a cobrança dos cheques sem fundos fossem processados pela execução cível.

Segundo a polícia, os suspeitos devem ser transferidos para Barra do Garças, a 516 km da capital. A transferência visa a finalização das investigações. A operação recebeu o nome de ‘Boi Voador’, por causa do golpe, uma vez que a compra do gado era feito com cheques sem fundo.

Os mandados de prisão preventiva foram expedidos pela 2ª Vara Criminal do município. Eles devem responder pelo crime de estelionato em concurso material.