Psicóloga explica sobre a importância de um ambiente personalizado para atender este público 

Foto: Dialum AssessoriaFoto: Dialum Assessoria

Ir ao cinema pode parecer uma ação cotidiana para muitas famílias com crianças e jovens, mas não é bem assim para todos. Isto porque o som alto, a temperatura ou até mesmo a iluminação podem gerar incômodo para quem possui Transtorno do Espectro Autista (TEA). Pensando nisso, o Shopping 3 Américas realiza neste sábado (25) uma sessão especial adaptada da animação Lightyear.

Para garantir conforto, as luzes da sala permanecerão em 50% da sua iluminação e o volume do som será reduzido. Além disso, será permitido entrar e sair da sala sempre que for necessário. A sessão é gratuita para a pessoa com autismo, bem como para o seu acompanhante. Os interessados podem fazer a retirada dos ingressos mediante apresentação da carteirinha ou laudo, na bilheteria do cinema.

A iniciativa do Cinépolis, rede que atende o Shopping 3 Américas, visa proporcionar uma experiência agradável a quem possui TEA e outras síndromes, transtornos ou doenças que acarretam hipersensibilidade sensorial em geral. Jaqueline França, psicóloga e consultora da Inspirados pelo Autismo, fala sobre a importância de iniciativas como essa.

“Alguns podem se beneficiar de um ambiente preparado, levando em consideração suas necessidades motoras, sensoriais e os prejuízos em etapas específicas do desenvolvimento. Outras pessoas podem ter dificuldades de lidar com lugares barulhentos e com muita ou pouca claridade, e quando isso fica desregulado, elas precisam correr, pular, ou fazer sons e pequenos gritinhos”. Por isso, comenta a psicóloga, estar em ambientes sociais pode ser desafiador.

“E levando em consideração que incluir envolve ofertar o que as pessoas precisam para poderem exercer o seu direito de ir e vir, tornar o ambiente mais acessível é contribuir para ampliar o repertório, ensino e estimulação em ambientes externos como incluir a família e proporcionar mais qualidade de vida e bem-estar”, destacou.

Aline Coelho é mãe de Daniel, de 3 anos. Ela fala que a sociedade ainda não está totalmente pronta para lidar com o diferente e, por isso, muitas vezes o comportamento da criança acaba sendo julgado. “Existe essa postura histórica de excluir o indesejável. E, infelizmente, nossos filhos PCD estão incluídos nesta lista. Então ter esse espaço é mostrar que não somos invisíveis, nós existimos, nós vamos conviver em sociedade e que é ela que tem que se adaptar a nós”, afirmou.

Outra mãe que fala sobre a experiência com o cinema adaptado é Janaina Landin. Mãe de João Guilherme, de 8 anos, ela conta que a ida à uma sessão adaptada foi uma vivência “maravilhosa” e que depois disso seu filho se tornou uma apaixonado por filmes. “Agora quer ir todos os dias e, para mim, é uma surpresa, porque ele não gostava de sair”, comenta, orgulhosa por poder proporcionar esta experiência.

Janaína relata que inicialmente estava apreensiva, porque João Guilherme já tem uma rotina em casa e não se sente confortável em lugares diferentes, no entanto, “ele amou”. Ela destaca que nesse ambiente preparado, as crianças se sentem livres para andar sem a recriminações de adultos, o que também é um alívio para os pais, que sofrem com os julgamentos.

“Como eu, outros também sentem medo e têm receio dos olhares de reprovação, mas hoje está excelente. Amei, meu filho amou, eu nunca vi ele tão focado na tela”, ressalta. Ela pondera também que espera que ações como essa sejam mais divulgadas para ter um alcance ainda maior e faz questão de reforçar a questão da gratuidade, já que muitos deixam de participar de alternativas como essa, por não ter condições de pagar.

O gerente de marketing do shopping, Patrick Lima, ressalta que o empreendimento está preparado para atender a todos, sem distinção, e está atento às pautas inclusivas. “Nos preocupamos com o conforto de quem escolhe o Shopping 3 Américas para viver um momento de lazer e por isso trabalhamos para que as pessoas sejam atendidas de forma especial. Nosso principal intuito é promover espaços de acessibilidade e inclusão a todos”.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), uma em cada 160 crianças possui Transtorno do Espectro do Autismo. A condição é caracterizada por algum grau de alteração do comportamento social, comunicação e linguagem. Os primeiros sinais aparecem ainda na infância, sendo que na maioria dos casos, ainda nos primeiros cinco anos de vida, tendendo a persistir pela adolescência e vida adulta.

Serviço:

Sessão de cinema gratuita da animação Lightyear, neste sábado (25), às 13h15, no Shopping Três Américas, localizado no bairro Jardim das Américas, em Cuiabá. O filme conta a história de origem definitiva de Buzz Lightyear, o herói que inspirou o brinquedo em Toy Story, animação que marcou época nos anos 1990.

CLIQUE AQUI E PARTICIPE DE NOSSOS GRUPOS DE WHATSAPP