Reprodução | IlustrativaReprodução | Ilustrativa

Anderson Sansão é servidor público da prefeitura de Baliza/GO. O trabalho dele é transportar pessoas que demandam de cuidados médicos. Essa é a nobre missão do motorista de ambulância, um profissional imprescindível no quadro de trabalhadores da saúde, seja pública ou privada.  

Na última sexta-feira (26), Anderson recebeu mais um chamado. Desta vez, ela precisava levar um paciente com insuficiência cardíaca a um laboratório na cidade vizinha de Torixoréu para realizar exame, conforme solicitação médica. A distância entre Baliza (GO) e Torixoréu (MT) é de apenas quatro quilômetros. Anderson faria o percurso em um piscar de olhos, não fosse um obstáculo político.  

No pé da ponte sobre o rio Araguaia, já no Mato Grosso, a prefeita de Torixoréu montou uma barreira sanitária para, segundo ela, impedir a propagação do coronavírus. Mas que na verdade obstaculiza o acesso de moradores de Baliza a Torixoréu e restringe a mobilidade da população local.  

Impedido de entrar em Torixoréu para levar o paciente que permanecia no interior da ambulância, Anderson ameaçou acionar a polícia para denunciar o abuso. Foi autorizado a levar o paciente no laboratório, mas não poderia demorar mais de 20 minutos, sob pena de não poder deixar a cidade.  

Em um áudio compartilhado nos grupos de Whatsapp, o motorista Anderson Sansão se diz indignado com o descaso da prefeita de Torixoréu para com a população de Baliza. Segundo ele conta na mensagem de áudio, o paciente foi encaminhado para Goiânia, no último sábado (27), onde permanece internado.  

Ainda segundo Sansão, a barreira de Inês é seletiva. Dificulta o acesso de moradores de Baliza, mas abre a porteira para alguns ilustres de Torixoréu atravessar a ponte, desfilar de carrões e tomar cachaça em Baliza.

A prefeita de Baliza, Fernanda Nolasco, impetrou um Mandado de Segurança, na última sexta-feira (26), com pedido de tutela de urgência. A gestora pede que o judiciário determine que a prefeita de Torixoréu desobstrua a passagem sobre a ponte e garanta a livre circulação de pessoas e de veículos. Ela entende que a barreira sanitária tenha carater pedagogico e educativo. Cercer o direito de ir e vir da população, jamais. 

ATUALIZAÇÃO: Prefeitura de Torixoréu nega que barreira sanitária impediu ambulância de passar