0
0
0
s2smodern

 

Foto: ReproduçãoFoto: ReproduçãoO lateral Ernandes, da Chapecoense, não conseguiu reduzir a pena por falsificação de documentos determinada pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) no início de julho. Ele teve o recurso julgado na última quarta-feira e a decisão da casa foi, por unanimidade, a de manter a punição de 180 jogos de suspensão e multa de R$ 5 mil.

Agora, existe a possibilidade de que o jogador seja desligado da Chapecoense. Ciente do risco que assumia ao contratá-lo, o clube catarinense colocou no contrato uma cláusula que legitima a rescisão unilateral. A diretoria deu suporte jurídico ao lateral durante processo, ainda que não tenha relação direta com o caso.

O CASO

A denúncia contra o lateral foi feita em dezembro do ano passado, pela Ponte Preta, quando ele ainda jogava pelo Goiás, após o fim da disputa da Série B do Campeonato Brasileiro. O time paulista terminou a competição em quinto lugar, com os mesmos 60 pontos da equipe goiana, que ficou em quarto pelo número de vitórias e subiu para a Série A.

GATO

Na ocasião, a Ponte Preta viu a oportunidade de conseguir o acesso à elite ao tentar tirar pontos do Goiás, isso com a base na acusação contra Ernandes. O departamento jurídico do clube campineiro apresentou a suspeita de que o atleta teria adulterado a idade em dois anos.

Apesar de toda a documentação dele mostrar o dia 11 de novembro de 1987 como data de nascimento, a data correta seria 11 de novembro de 1985. Os registros do Cartório do 2º Ofício de São Felix do Araguaia (MT) confirmam a informação. Por fim, o Tribunal não viu qualquer responsabilidade do Goiás e o clube não foi punido, mas o caso seguiu para avaliar a situação de Ernandes.