Reprodução Reprodução

Com compromisso marcado para os dias 27 e 28 de novembro, em Atibaia (SP), a equipe de paintball Barra Spartans  irá representar Barra do Garças no campeonato brasileiro da Brazilian XBALL League (BXL) na categoria D4 amador. Os treinos se intensificaram nos últimos dias, em reta final de preparação para o torneio.

Fundado em 2009, quando um grupo de amigos adquiriu os equipamentos por conta própria para a prática do paintball, a equipe conta com uma lista de títulos. Após hiato entre 2015 e 2019, a nova formação voltou a participar dos campeonatos pelo estado, região e no país. O capitão dos Spartans, Márcio Costa Garcia Miranda, único remanescente da primeira line-up, nos contou um pouco sobre a rotina de treinos, história e sobre a prática do esporte na cidade.

O primeiro torneio que a equipe participou foi em 2010, se consagrando vice-campeões estaduais na cidade de Canarana. No ano seguinte, o primeiro título veio, sendo campeão estadual de Mato Grosso. Em 2012, outra conquista, em torneio realizado em Barra do Garças. Já em 2014, a equipe ficou na terceira colocação no Circuito Goiano de Trios. Após o feito, os Spartans deram uma pausa de 2015 a 2019.

Miranda conta que logo na volta da equipe, o primeiro resultado de maior expressão veio em São Paulo, em 2020, quando o time buscou a 2ª colocação no campeonato brasileiro na categoria D4 amador do BXL. Atualmente a equipe está na segunda colocação do circuito goiano. 

Em boa fase, o capitão dos Spartans diz que a expectativa para o brasileiro em Atibaia é boa, visto que a equipe treina desde o início do ano, mesmo com a pandemia.

Por enquanto sem investimentos, os integrantes do time bancam todas as despesas, desde o material para os treinos, até viagens e hospedagens para campeonatos em outras localidades. "Nós continuamos buscando parceiros para ajudar nas despesas", revela. A equipe também paga anualidade para a BXL, requisito necessário para que possam participar dos campeonatos organizados pela empresa.

Prática em Barra do Garças

Os Spartans treinam e jogam em dois lugares na cidade de Barra do Garças. Utilizando o Sesi clube, que por enquanto se encontra abandonado, grande parte das atividades acontecem no local.

Entretanto, conforme vão se aproximando os torneios, a equipe também utiliza do campo na Vila Olímpica. Como não há outras equipes na cidade, os Spartans utilizam-se dos treinos mais para aprimorar questões individuais, como a mira e também testar algumas coisas. Para treinar com outras equipes, o time se desloca até Goiânia (GO).

Sobre a prática do esporte, Miranda diz que, ao contrário da modalidade airsoft, o paintball conta com ligas e federações homologadas em cada estado, tornando a competitividade ainda maior. "Dessa forma não há necessidade de se ir muito longe para competir num evento de primeira linha", explicou.

O capitão dos Spartans ainda revela que o principal ponto para o sucesso da equipe é saber trabalhar em equipe "tem que confiar no seu atleta para que os objetivos sejam alcançados. É um esporte que busca trabalho em equipe afiado e muita comunicação", finalizou.

O esporte 

paintball é um esporte de combate, individual ou em equipes, que usa um marcador de ar comprimido, atirando bolas com tinta colorida. O objetivo é atingir o oponente, marcando-os com tinta, sem causar dano ou lesão corporal.

Cada lado da disputa costuma usar uma cor diferente, tornando fácil identificar a origem do tiro. A partir daí podem encenar vários tipos diferentes de disputa: um contra um, grupo contra grupo, contagem de pontos, captura de líder, defesa de território, captura de bandeira, como em qualquer outro jogo de simulação de combate.

paintball é o esporte de aventura que mais cresce no mundo tendo, inclusive, mais praticantes do que o milenar surf, nos Estados Unidos. Por suas características, ele permite que não apenas homens joguem, mas também mulheres com qualquer idade. Os jogadores podem estar com qualquer condicionamento físico mas, óbvio, isso vai influenciar significativamente na experiência de jogo.

O esporte conta com cerca de 12 milhões de praticantes em todo o mundo.