Segunda competição de ciclismo de estrada contará com mais de 300 atletas, incluindo o campeão do Brasileiro e Panamericano Master, Roberto França.

Reprodução Reprodução

Ele está de volta! O 2º Tour de Cuiabá, principal competição de ciclismo de estrada de Mato Grosso, ocorrerá neste sábado e domingo (02 e 03 de outubro) com mais de 13 mil reais em premiações. Os vencedores de elite da categoria masculina e feminina  de 2021, com premiação para os vencedores da categoria Elite, tanto no masculino como no feminino. Os vencedores das demais categorias receberão troféus e todos que terminarem a prova receberão medalhas. 

Entre os mais de 300 inscritos, haverá a participação de Roberto França, ciclista cinco vezes campeão do Brasileiro Master, que venceu também o Panamericano Master e participou do Master da Áustria. No ano passado, João Marcelo Pereira Gaspar e Luana da Silva Bezerra, da equipe IPC Site Team, de Campo Grande (MS), foram os vencedores.

O organizador do tour, Ruy Marinho de Sá Neto, detalha que o evento tem como objetivo de desenvolver o ciclismo no estado e promover o esporte como um bem social. "É um trabalho de formiguinha que comecei há três anos com um amigo, o Tiago Albrecht, que é coorganizador. Começamos a promover treinos em grupo, independente de equipe, misturávamos todos, que virava um simulado de prova. E daí nasceu o evento. No ano passado tivemos 200 inscritos, o máximo de participantes por conta do decreto municipal. Este ano já são mais de 300”, conta. 

O trajeto de cada um dos dias será pela MT-010, sendo que no domingo o retorno será pela MT -251. O torneio conta com apoio da Secretaria de Esporte e Lazer do Estado e Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana de Cuiabá (Semob).
“Estamos nos preparativos finais", afirmou Ruy, agradecendo aos patrocinadores, incluindo a Clínica Oncolog, que apoia o crescimento do esporte em Mato Grosso, devido ao fato de que atividades físicas regulares estão entre as melhores formas de se prevenir a maioria dos tipos de câncer. 

“Esse Tour veio para mostrar que o ciclismo é um esporte social e democrático, que incentiva o convívio social. Pedalar em grupo pode ser uma ótima forma de relaxar e deixar e deixar o sedentarismo de lado. Mesmo pedalando sozinho, o prazer de pedalar e estar bem consigo vem junto com o vento na cara e a sensação de liberdade. Este ano não treinei muito,  mas vou dar umas voltas”, destaca  André Crepaldi, oncologista e diretor da Oncolog.