Reprodução Reprodução

Preso o suspeito de matar a vendedora Vanessa Rodrigues da Silva, de 31 anos, na noite da última segunda-feira (6). Segundo a Polícia Civil, o homem, que é marido da vítima, teria matado e carbonizado o corpo dela, que foi localizado no último dia 27 de agosto. O cadáver estava dentro de uma grota que fica dentro da fazenda do suspeito, em Porangatu.

De acordo com o delegado regional de Porangatu, André Medeiros, o homem foi localizado em São Miguel do Araguaia, a 127 quilômetros da cidade. Os policiais foram verificar denúncias sobre o paradeiro durante o dia, mas só encontraram o endereço correto pela noite.

O homem foi levado para o Porangatu e submetido ao exame de corpo de delito. Após isso, ele foi transferido para a cadeia do município.

Ele é considerado o único suspeito do crime. Após o depoimento de familiares e vizinhos, a Justiça expediu o pedido de prisão preventiva, mas ele havia fugido.

Suspeito de matar vendedora: corpo estava em uma grota

De acordo com a PJC, o cadáver estava envolvido em dois sacos plásticos e escondido em uma grota na propriedade rural. A fazenda fica a cerca de 60 quilômetros de Porangatu. Agentes usaram drones nas buscas pela mulher, já que o local é de mata fechada.

As investigações tiveram início na segunda-feira (16), quando a irmã de Vanessa procurou a delegacia da cidade. De acordo com o delegado Luciano Santos, os familiares ficaram preocupados a partir do momento que ela não atendia o celular e não respondia as mensagens.

Vizinhos ouviram pedido de socorro da vendedora

O delegado informou que vizinhos teriam ouvido gritos dela pedindo por socorro no dia do desaparecimento. O marido teria dito que a mulher foi viajar, porém, diante da suspeita, a Polícia Técnico-Científica realizou uma perícia na casa e no carro, mas o resultado ainda não não foi divulgado.

Segundo o delegado, armas foram encontradas no local e o marido chegou a ser preso em flagrante por posse irregular. Porém, o homem foi liberado após pagamento de fiança e até aquele momento não era considerado suspeito.