As promoções são o chamariz da Black Friday. Mas digitar o CEP e ver o preço do frete e tempo de entrega pode desestimular muita gente.

Além de preços baixos, os consumidores também querem receber o produto com agilidade e sem precisar pagar demais por isso.

A jornalista acreana Agnes Cavalcante está se preparando há meses para fazer uma compra online na Black Friday, e vai considerar o prazo de entrega na hora de fechar o pedido.

Por causa do isolamento social para conter a disseminação do novo coronavírus, o número de compras on-line tem crescido desde de março. E a Black Friday do próximo dia 27 de novembro promete ser a maior da história da promoção no Brasil.

Os Correios estimam que podem entregar mais de 2 milhões encomendas. A empresa já tinha alcançado este ano o maior número de entregas em junho e julho deste ano, como detalha o Alex do Nascimento, diretor de negócios dos Correios.

Nesta sexta-feira (30), os Correios lançaram campanha oficial da Black Friday 2020.  Entre as novidades, a empresa afirma que ampliou as cidades onde haverá coleta dos produtos vendidos, seja por empresa ou pequenos empreendedores. E o Correios Mini Envios – um serviço de entrega econômica para pequenos pacotes disponível em todo o território nacional.

O Procon São Paulo alerta que a movimentação intensa da Black Friday não é razão para descumprir prazo de entrega nem inflar o preço de frete.

O Procon do Paraná alerta que o consumidor deve ficar atento ao prazo de entrega, para que o presente não chegue depois das festividades. A informação do tempo de entrega deve constar na hora da compra, para que o consumidor possa fazer seu planejamento. Outro fator importante a ser observado são as despesas adicionais que podem ocorrer com fretes ou taxas.

Por: Renata Martins, Sapicuá Rádio News