Foto: Assessoria Foto: Assessoria

O senador Carlos Fávaro (PSD-MT) solicitou ao ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, a prorrogação do prazo para o cadastramento no programa de auxílio emergencial que se encerra nesta quinta-feira (2).

Para receber as parcelas de R$ 600, trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos, desempregados e pessoas de baixa renda teriam que apresentar até hoje a documentação necessária para se cadastrar. No entanto, a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) referente ao ano de 2019 não foi devidamente processada e atualizada pela Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev), Justiça do Trabalho e Ministério da Cidadania, fazendo com que os trabalhadores demitidos no ano passado não consigam efetuar esse cadastro.

Também encontram dificuldades trabalhadores demitidos neste ano. Isso porque os dados relativos aos empregados vinculados às grandes empresas (e-social) e às pequenas e médias empresas (CAGED/GFIP) também não estão sendo devidamente processados e atualizados pelos referidos órgãos.

“Prorrogamos as parcelas porque sabemos o quanto esse auxílio é essencial para quem está atravessando este momento de dificuldade. Agora, precisamos também prorrogar o prazo para que aqueles que têm direito e não conseguiram se cadastrar por motivos alheios à suas vontades não sofram ainda mais”, comenta o senador Carlos Fávaro.

Com a devida urgência, Fávaro solicitou ao Ministério da Cidadania que as inconsistências apresentadas sejam sanadas devendo-se, assim, prorrogar por mais dois meses o prazo para a realização do cadastro emergencial, assegurando o direito de todos os beneficiários.