Pichetti Rui Vilani  Inez Trentin Zandoná    Outros

Imagem Ilustrativa

Sem intenções outras, passe a observar atentamente, os gestos de qualquer pessoa, e verá que a vida se transforma num circo, onde nos transformamos em palhaços, com roupa de palhaço, cara de palhaço... Sem querer ferir nossos grandes artistas desse grande seguimento e sim fazendo parte deste grande clã.

De repente, eu sentado no banco da praça perto de minha casa, observo atentamente um transeunte, lá vem ele sozinho, mas não aparece sozinho, pois ele vem batendo o maior papo, com quem não sei...

Acompanho sua trajetória e tento decifrar sua leitura labial, sua mímica, para entender um pouco... Pois ele gesticula muito e algumas coisas parece que entendo, ele balança a cabeça, a mão como se fosse dar uma surra em alguém...dizendo: aí, se eu te pego!!! Se cuida!!!

Do nada, ele dá o maior sorriso, como se diz, perdeu play boy... E eu torcendo por ele, exclamo daqui, é isso ai cara, arrebenta com ele... No fundo, no fundo ele parece doido e eu... Mais doido ainda, torcendo pro maluco.

Num mesmo lance na praça, observo a moça, passos largos, apressada, como se fosse alguém que iria perder o ônibus e, num gesto brusco, ela para, fica estática, abre sua bolsa, tira um lencinho que mal dá para enxugar um pingo de lágrima, e ameaça a espirrar...

Uma vez, duas, três e... Nada... Tem momento que ela dobra a cabeça pra trás, tampa o nariz, faz força, ameaça e eu torcendo, agora vai... Que nada, falhou... Ela guarda o lencinho, fecha a bolsa e dá o primeiro passo, ai a coisa vem pra valer... Atchim, atchim, tres vezes, chega a formar uma auréola de vírus ao seu redor... Não fica ninguém perto... Nesta época então!!!???

Num piscar de olhos, lá vem um desatento cidadão, de pijama listrado, em plena tarde, e o pior da festa, o pijama estava do avesso... Tento avisá-lo de que aquilo poderá causar um frisson ou reboliço, então calço a cara, chego perto dele e lhe aviso sobre o pijama, ele sem qualquer constrangimento me diz, um dia visto do avesso, no outro dia visto normal, isso é para economizar, pois assim o pijama durará o dobro do tempo. Pensei comigo, esse não tem jeito mais, é só internar.

E nesta trajetória turbinada de vida em que a humanidade passa, a concentração, a lembrança, e outros neurônios mais, vão para o espaço. Você já viu em pessoa, ter o gesto de amarrar uma palha seca de espiga de milho, na chave da porta da sala, para lembrar que tem um bolo assando no forno da cozinha?

E passando algum tempo, ele não se lembra o porquê daquela palha na chave? E só se lembra quando é alertado pela sirene do corpo de bombeiros, que alguma coisa no seu prédio está pegando fogo?

Pois é, enfio a mão no bolso, e vejo uma grande palha amarrada ... Meu deus tem um bolo pegando fogo lá em casa!!! Socoooorro...!!!!!!!!!!!