Pichetti Rui Vilani  Inez Trentin Zandoná    Outros

 Imagem Ilustrativa

Hoje, após relutar com minha consciência, se posso dizer que a tenho, matei minha mãe, e apunhalei meu pai pelas costas, e ainda, feri a dignidade de toda minha família.

Depois de uma longa briga interna com o mundo ou comigo mesmo, não sei, no auge da crise, de meus limites, desabei e feri a sensibilidade principalmente de minha querida mãezinha... revelei a ela que faço parte dos usuários no mundo das drogas.

Tenho vergonha disso. Ela que sempre me ajudou, em tudo, ela que nunca mediu esforços para que eu me tornasse gente na vida, ela que a vida inteira deu sua vida por mim, recebeu a notícia, e ficou estática, paralisada, porque derrubei o castelo de seus sonhos...

Ela, esperou ver em mim, um homem, ver a extensão de seu orgulho em ter me gerado ou quem sabe, na imagem de teu rosto... e eu, sem ter qualquer justificativa ou resposta, ou talvez por minha inaptidão, minha fraqueza, minha incompetência de vida, lhe retribui com uma traição, que qualquer mãe do mundo não queria ouvir e sentir.

Talvez tenha sido a influência de meus amigos, que hoje, só me buscam para cavar cada vez mais o poço que me espera. Minha cabeça, não consegue formatar nada na vida, a não ser, o desejo de buscar alimentar esse maldito vício, que a cada dia que passa me atormenta mais.

Sinto a ultrajante desonra se apoderar de mim. Vergonha de mim e de todos, pois trai a confiança daqueles que sempre me amaram. e, pra ver como são as coisas, tornei a buscar o colo de minha mãe e ela não me deu somente seu colo, suas mãos, me deu sua vida...

Sinto me um verme à presença das pessoas... eu sei que, como esperança de um pavio que acende, existe ainda salvação, existe conversão, tudo, tudo vai depender de mim... sei que jamais eu conseguirei sair deste mundo das drogas, se eu não me entregar, se eu não querer...

Será que eu serei fraco de novo, será que me deixarei ser dominado por esse turbilhão de lama, de imundície que permeia minha vida? Será que um dia ainda, farei minha mãe sorrir? Eu sei que não tenho credito para isso, mas, se levar a vida do “só hoje” talvez sairei dessa...

O só hoje, é a maneira de viver, pensando que somente existe o hoje, onde poderei superar a recaída só hoje, amanhã será um novo “só hoje”.

Não vou fugir daquelas coisas boas, que sempre desviei, que sempre tive medo. Vou me converter, pois sei que a fé move montanhas. Basta que eu queira e viva o “só hoje”.

Nunca tentarei sair aos poucos do vício, tem que ser uma morte ou um corte radical, tenho que ser forte... clamo ao mundo que todas as ajudas serão bem-vindas, pois tenho que aceitá-las...

Não vou ficar sozinho, e vou evitar as companhias que sempre me fizeram mal...não vou esperar que meu corpo seja apodrecido pelos efeitos desta maldita droga.

Eu vou ser homem e não um fraco, e farei com que, um dia, o largo sorriso, estampado no rosto de minha mãe apareça, dizendo, eu confiei em meu filho e ele não me desapontou. E pense sempre... deus está ao meu lado, basta que eu abra o coração para ele.