Pichetti Rui Vilani  Inez Trentin Zandoná    Outros

ReproduçãoA questão ambiental é um tema recorrente em nosso cotidiano, envolvendo muitas vezes posicionamentos ideológicos ou infundados, motivados por má fé ou falta de conhecimentos específicos.

Organizações e orgaos públicos buscam o desenvolvimento, a partir de recursos naturais, sem perder de vista o equilíbrio entre o progresso e a sustentabilidade ambiental.

Um dos principais indutores do desenvolvimento sustentável é o PRAD - Plano de Recuperação de Áreas Degradadas - que é um dispositivo legal previsto na Constituição Federal, em seu artigo 225 que diz: " aquele que explorar recursos naturais fica obrigado a recuperar o meio ambiente degradado, de acordo com solução técnica exigida pelo órgão público competente, na forma da lei".

Um PRAD é constituído por várias etapas como identificação e diagnóstico da área, planejamento, definição de objetivos, proposição de medidas para atenuar os danos ambientais, manejo do solo, técnicas de plantio e replantio, seleção de espécies vegetais e manejo regular da área após a recuperação.

Em síntese, o PRAD representa um conjunto de ações que objetivam garantir às áreas degradadas plenas condições de restauração e equilíbrio natural. A recuperação ocorre através de um plano que considera aspectos ambientais e sociais, de acordo com a destinação prevista para a área, priorizando um novo equilíbrio ecológico.

Por óbvio, a Administração Pública Municipal segue rigorosamente a legislação ambiental brasileira, de modo que todas as obras que impliquem intervenções na natureza, passam pelos processos de licenciamentos ambientais, nos quais, através de PRADs específicos, são propostas as medidas de recuperação ambiental.

Quem propaga o contrário o faz por desconhecimento ou apego a ideologias, distorcendo os fatos.

Luiz Omar Pichetti
Eng.Agronomo