0
0
0
s2smodern

 

Foto: ReproduçãoFoto: ReproduçãoA última chuva sobre Nova Xavantina aconteceu no dia 22 de abril, com apenas 12 mm. Em todo o mês de abriu choveu apenas 103 mm, e, de lá ara cá, nada de chuva.


No ano de 2019 choveu 884 mm em Nova Xavantina, um pouco mais do que no mesmo período de 2018 quando foi medido 838 mm de chuva. A falta de chuva preocupa, principalmente os pecuaristas, que depender da chuva para ter pastagens. As informações foram fornecidas pelo técnico agrícola Lino Clair Klozinski, que mede a quantidade de chuvas sobre Nova Xavantina desde o ano de 1995.


Segundo a pesquisa de Lino, que mede as chuvas no calendário agrícola, que compreende os meses de julho a junho, este será um ano com mais chuvas e com a precipitação mais cedo, em razão de alguns sinais que já são observados na própria natureza. “Quando a pessoa passa a ser um observador, até mesmo o ar dá sinais de mudança no tempo.” As previsões de chuvas apresentadas pelo senhor Lino não tem nenhuma técnica cientifica, sendo apenas previsões empíricas, com base em sua própria experiência.


No ano agrícola de 1995/1996 choveu 1.469 mm, com a maior quantidade no ano agrícola 2010/2011, quando choveu 2.268 mm. No ano agrícola 201/2018 a quantidade de chuvas foi de 1.408 mm e no calendário 2018/2019 choveu 1.767 mm.


Segundo Lino poderá chover na região entre os dias 17 a 22 de agosto, com base no que aconteceu nos anos de 2001, 2003, 2005, 2012, 2015 e 2016. Nos demais anos, desde 1995, não chove em Nova Xavantina nos meses de agosto. O mês de setembro é um m~es que chove pouco, e, apenas nos anos de 2005 e 2008 não teve cuvas no mês de setembro.


A falta de chuvas assusta os moradores da zona rural que correm sérios riscos de queimadas, em razão do mato e pastagens secas, o que, caso ocorra, provoca prejuízos ao meio ambiente e, principalmente, nas finanças dos produtores rurais.


Na cidade de Água Boa e outras cidades doa região do Araguaia choveu forte no início do mês de julho, porém, a chuva deu a volta por Nova Xavantina.