0
0
0
s2smodern

 

Foto: ReproduçãoFoto: ReproduçãoOs preços dos fertilizantes devem voltar a subir a partir deste mês, puxados pela demanda para o plantio da safra 2019/20, prevê o Rabobank no relatório Agroinfo. O banco explica que as compras para a próxima temporada estão levemente atrasadas por causa dos preços mais altos de alguns componentes, na comparação com igual época do ano passado.

"Com o plantio programado para iniciar em meados do próximo trimestre, a demanda um pouco atrasada tem que acelerar ainda no mês de junho, para que não haja problemas de abastecimento. Esse movimento deve sustentar os preços dos fosfatados e potássicos", diz o Rabobank no documento.

Conforme o banco, a ureia (matéria-prima de fertilizantes nitrogenados) se valorizou 8% nos últimos meses nos portos brasileiros, enquanto o preço do KCl (cloreto de potássio) subiu 10%. Já o valor do MAP (fosfato monoamônico) caiu 15% nos portos. Ainda assim, as principais formulações usadas por produtores brasileiros (que levam os três ingredientes) estavam entre 1% e 10% mais caras no início de junho, em relação a um ano atrás, segundo o banco.

Com o reajuste, a relação de troca de adubos por grãos piorou para os agricultores (sendo necessário maior número de sacas de grãos para adquirir o mesmo volume de adubo), o que reduziu a demanda. Este atraso, ressalta o Rabobank, pode resultar em postergação da importação de fertilizantes e problemas na programação das entregas.

O banco alerta que, com o alto preço do potássio e perspectiva de margens menores para produtores de soja e café na próxima safra, a tendência é de que parte dos produtores reduza a adubação deste nutriente no ano. O Rabobank projeta entregas de 35,8 milhões de toneladas de adubos em 2019, pouco menos de 1% acima dos 35,506 milhões de toneladas contabilizadas pela Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda) em 2018.