Em uma ação de fiscalização e monitoramento, equipes da Secretaria de Estado e Meio Ambiente (Sema-MT) e Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental (PMPA) apreenderam e devolveram à natureza mais de 250 tartarugas-da-amazônia. O flagrante da caça ilegal do quelônio aconteceu neste domingo (11.07), no entorno do Parque Estadual do Araguaia, localizado no município de Novo Santo Antônio (1.063 km da capital). 

Conforme o gerente do Parque Estadual do Araguaia, Johann Dávilas Barros Cavalcante, operações integradas com as forças de segurança têm coibido o crime de caça de espécies de fauna silvestre, que é punível com detenção de seis meses a um ano, e multa, conforme a Lei de Crimes Ambientais (Lei federal 9.605/98). 

Os animais estavam condicionados em sacos, cobertos com folhagens, dentro de três embarcações que foram apreendidas, junto a petrechos e redes de pesca. Os responsáveis fugiram do local e não foram identificados. 

Por estar ameaçada de extinção, a tartaruga-da-amazônia (Podocnenis expansa) é protegida por lei para captura, posse, transporte e comércio. Ainda assim, a espécie sofre forte pressão e a caça ilegal acontece porque a sua carne tem valor comercial nas cidades próximas ao Parque por ser considerada um prato exótico. 

Rico em biodiversidade, o Parque Estadual do Araguaia é a maior unidade de Conservação de Mato Grosso, com cerca de 230 mil hectares, e uma das 33 Unidades de Conservação de Proteção Integral administradas pela Sema-MT. 

Denúncias

A pesca depredatória e outros crimes ambientais podem ser denunciadas por meio da Ouvidoria Setorial da Sema: 0800-65-3838.