Banner Política
0
0
0
s2smodern

Foto: ReproduçãoFoto: ReproduçãoO canal de comunicação digital “Denúncia Agora”, criado pelo pelo Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção (GTCC), recebeu, desde o início do ano, 530 denúncias contra servidores relacionadas a atos de improbidade administrativa ou corrupção.
 
Os números são bem superiores aos anos de 2016, quando houve 64 denúncias, e 2017, com 157. Os dados foram divulgados pelo Governo do Estado.
 
Algumas denúncias apuradas resultaram na prisão de um lobbysta na Secretaria de Estado de Infraestrutura, na deflagração da operação Zaqueus da Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública e na investigação pelo Ministério Público Estado, de indícios de superfaturamento em procedimentos licitatórios da Secretaria de Estado de Saúde.
 
Pelo canal qualquer pessoa pode enviar denúncias pelo site www.denunciaagora.com.br, ou ainda por ofício, pelo telefone (65) 3613-4558 e pessoalmente no GTCC, localizado na Avenida 1 - Complexo Palácio Paiaguás, das 13h às 19h. O denunciante pode manter o anonimato.
 
Conforme o Governo, o canal é apenas uma das frentes de atuação do Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção.
 
Outra medida foi a reformulação do Portal Transparência, ampliando as funcionalidades e qualidade das informações, possibilitando ao cidadão um maior controle social dos gastos públicos.
 
O portal disponibiliza as informações sobre receitas, despesas, pessoal, compras, convênio e transferências, orçamentos e dados dos órgãos e autarquias governamentais.
 
Também abriga as relações dos Conselhos de Políticas Públicas e do Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial (Prodeic). Desde a implantação da nova plataforma, realizada em 2016, quase 300 mil pessoas acessaram o site.
 
Ainda no mesmo ano, Mato Grosso foi considerado o terceiro Estado mais transparente da federação, em relação a outros 27 Estados, conforme o Ranking Nacional da Transparência, realizado pelo Ministério Público Federal (MPF).
 
Para o secretário do Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção, Christian Pizzato, a transparência e a promoção da integridade são ações que não apresentam um resultado rápido, mas se continuamente aplicadas permitem um resultado duradouro.
 
 “Um ambiente ético, com pessoas engajadas no combate a pequenos desvios, não permitirá que terceiros, com vocação para corrupção, se sintam estimulados a realizá-la. No caso da transparência, quando demonstrada como são tomadas as decisões, executadas as políticas de aquisição, contratação e definição de prioridades, permite ao cidadão acompanhar a entrada e a saída de recursos, coibindo muitos desvios, tanto de finalidade, como a corrupção propriamente dita”.